terça-feira, 30 de setembro de 2008

SEM TEMPO PARA SER FELIZ - POR SYLVIA ROMANO

A quebra dos bancos americanos, provavelmente, impulsionará o mundo
para uma crise muito pior do que foi o "Crack da Bolsa de 29" do
século passado, quando a grande maioria da população vivia no campo
e, não, nas cidades como hoje. "Grifes", carros, casas,
eletrodomésticos e outros luxos não se comem como, o arroz, o feijão,
o chuchu e o franguinho que alimentaram nossos avós que, em sua
grande maioria, morava em chácaras, sítios e fazendas de outrora.

Os índios pataxós reivindicam terras dos seus antepassados para
permanecerem como velhos bugres, indolentes como sempre foram.
Os "irmãos menos favorecidos" querem continuar recebendo suas "bolsas
esmolas" para também manterem o ócio a que estão acostumados e
acomodados. Os políticos seguem aos berros nos veículos de
comunicação na esperança de serem eleitos e garantirem uma vida mais
segura para si e para os seus "chegados". O tráfico vai muito bem
organizado e continua dando as cartas de dentro das prisões,
aumentando cada vez mais o seu poder, hoje até internacional.

Os bancos, então, nem se fala. Estão cada vez mais ricos e divulgando
seus altos lucros de agiotagem. E os impostos batendo recordes, são
sempre os maiores do mundo. Nosso maior mandatário só viaja e fala,
fala muito, mas ninguém quer saber sobre o que, somente os ignorantes
é que o aplaudem e os medrosos e dependentes das suas "tetas". Os
escândalos econômicos e políticos aparecem todos os dias e são
esquecidos em curto espaço de tempo e servem sempre de cortina de
fumaça para coisas muito piores.

Adolescentes são proibidos de trabalhar, mas podem roubar e procriar,
pois estudar que é bom é difícil, trabalhoso e poucos querem. Os
velhos, estes coitados, é melhor que morram logo, afinal são a grande
causa do prejuízo da previdência.

Enquanto isso, fico pensando no tempo que está passando rápido,
preocupada com os meus, com o mundo e com o futuro de todos nós. Vejo
da minha janela o trânsito, a poluição e a violência da rua. Como
ajudar os miseráveis que encontro em cada sinal? Como fazer para que
os velhos tenham independência e dignidade? Como confiar nos outros e
esperar a ética de todos? Neste novo mundo que vivo, percebo que
quase todos estão sem tempo para ser felizes.
Mas tem uma coisa boa: Chegou a primavera. E logo depois, virá o
verão, as festas, a praia e o carnaval no fim de fevereiro, o que irá
prolongar o tempo de nada acontecer e do nada fazer. Ando pensando
que sou muito errada, sempre trabalhei e muito, mas cada vez mais
acho que só o ócio, o nada pensar e o nada fazer é o que permite o
prazer.

* Sylvia Romano é advogada trabalhista, responsável pelo Sylvia
Romano Consultores Associados, em São Paulo.
Home-page : www.sylviaromano.com.br
E-mail : sylviaromano@uol.com.br

Nenhum comentário:

Projeto Parado Falta de Apoio e Patrocinio

Esse projeto social infelizmente esta parado por falta de apoio financeiro, patrocínio, investimento. Temos uma idéia de aplicação porem nad...