Pular para o conteúdo principal

Apelo Ecológico


Com consumidor mais consciente, apelo ecológico chega ao produto
23/06/2008
Fonte: Valor Econômico

Daniele Madureira, De São Paulo
23/06/2008

Musa, da Caloi, e Metsavaht, da Osklen: carona no aquecimento global para lançar linha de bicicletas e camisetas "Carbon Free" Primeiro as empresas apoiaram financeiramente organizações não-governamentais reconhecidas pelo seu trabalho em defesa da natureza, como SOS Mata Atlântica e WWF, em troca do logotipo das instituições estampado no rótulo dos seus produtos. Depois vieram a reciclagem de lixo, o reuso de água e a revisão de processos industriais para poluir menos rios, solo e ar - iniciativas exibidas com orgulho no balanço social para atrair investidores. Agora chegou a vez de inovar o portfólio oferecendo serviços e produtos que aliviem a consciência ambiental dos consumidores e, ao mesmo tempo, ofereçam benefícios tangíveis.

Assim surgem o sabão em pó que deixa as cores vivas e leva menos tempo para biodegradar-se (Amazon H2O, da Rosatex), o relógio que não precisa de bateria e funciona a base de luz (Eco Drive, da Citizen), a malha que inibe o odor e é feita de fibra de bambu (Take, da Santaconstancia). Até o check-up gratuito do carro ganha apelo "ecológico" por ser focado na revisão dos itens que mais poluem a atmosfera, como fez a General Motors (GM).

"Os consumidores não são ingênuos e sabem que as empresas querem ganhar com o apelo ambiental", diz Yakoff Sarkovas, sócio da consultoria Significa. Segundo o especialista, que conduz todo ano pesquisas sobre a percepção pública da atitude das marcas, o mundo empresarial vive a terceira onda do marketing ecológico: o discurso institucional transforma-se em produto, depois de passar pela filantropia e pelo maior controle do processo industrial. Os três estágios continuam coexistindo, mas há um amadurecimento do conceito de ecologia, mesmo porque o consumidor está mais seletivo e não se deixa levar por qualquer promessa de verde e ar puro.

"Para o público, a companhia que repõe de alguma forma o que tirou do meio ambiente não faz mais do que a sua obrigação", diz Sarkovas. Ao mesmo tempo, há maior sensibilidade para questões que estão próximas do seu cotidiano. "É preciso ir além das mensagens de sustentabilidade e entregar produtos que façam a diferença, em sintonia com as preocupações do indivíduo em relação ao futuro do planeta", diz.

Essa preocupação existe de fato. Pesquisa recente do Ibope Mídia revela que 69% dos consumidores estão dispostos a pagar mais por um produto que seja saudável para o ambiente. Conduzida nas nove principais regiões metropolitanas do país, com consumidores de 12 a 64 anos de todas as classes sociais, o levantamento identifica que mais da metade (57%) dos entrevistados esforça-se em reciclar os produtos.

Atenta a esse movimento, a GM do Brasil ofereceu no início do mês o primeiro "check-up ecológico" da sua história. Os donos de veículos da marca na Grande São Paulo foram convidados a visitar as concessionárias e revisar os 15 itens que mais poluem quando desregulados, como catalisadores e filtros de óleo. Cerca de 30 mil check-ups foram realizados. O diagnóstico era gratuito e o cliente só pagava se fosse preciso trocar a peça, o que aconteceu em quase 70% dos casos. "Cerca de 600 clientes a mais foram atendidos por loja durante os 20 dias da promoção, sendo que normalmente costumam ser atendidos 800 no mês", diz o gerente de marketing e pós-venda da GM, José Carlos Carreira. "Foi a primeira iniciativa com esse apelo e serviu para testarmos a receptividade do público", afirma. A GM estuda nova ação do tipo este ano, agora em nível nacional. "Provavelmente na primavera", diz Carrera.

Se a indústria automobilística precisa lidar com o ônus da poluição, as fabricantes de bicicleta não querem perder o mote do transporte alternativo. A Caloi acaba de fechar parceria com a grife Osklen para lançar uma edição limitada do modelo "Carbon Free", uma bicicleta de 21 marchas, oferecida a R$ 1,2 mil no site da Caloi e nas 43 lojas da Osklen no país. "Estaremos em algumas das melhores vitrines do Brasil chamando a atenção para o transporte alternativo", diz o presidente da Caloi, Eduardo Musa, que reconhece, porém, a necessidade de iniciativas do poder público. "Nada como uma nova ciclovia para impulsionar as vendas", diz Musa.

O parceiro Oskar Metsavaht, diretor da Osklen, concorda. "É difícil adotar a bicicleta em uma cidade como São Paulo, mas temos que debater o tema", diz ele, que preside o Instituto E, voltado à promoção do desenvolvimento sustentável. A Osklen também vai vender camisetas com a assinatura "Carbon Free".

Já a tecelagem Santaconstancia desenvolveu a malha Take a partir da fibra de bambu, mais sustentável que o algodão e que oferece, de quebra, efeito bacteriostático (elimina os microorganismos causadores do mau cheiro). "É uma malha que não precisa passar e nem ser lavada com freqüência", diz Luca Pascolato, diretor da Santaconstancia, que destina R$ 1,5 milhão ao ano aos tecidos inteligentes. A Take representa hoje 4% das vendas e a expectativa é chegar a 10% dentro de dois anos, diz ele.

Se depender da Rosatex, lavar roupa terá impacto ambiental mínimo. A empresa investiu em um processo de produção que leva o item a se decompor em até 20 dias. "Os produtos dos concorrentes levam anos", diz o diretor da Rosatex, Domingues Santos, que lançou a linha Amazon H2O em 2007, com injeção de US$ 1 milhão para adaptar a produção ecológica à geração de mais espuma - exigência da dona-de-casa. Em seis meses, diz ele, a Amazon representa 7% das vendas de sabão em pó da rede Pão de Açúcar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAMPANHA OUTUBRO ROSA E NOVEMBRO AZUL

Outubro Rosa é uma campanha de conscientização que tem como objetivo principal alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama. Esta campanha acontece com mais intensidade no mês de outubro e tem como símbolo o laço cor de rosa. História[editar | editar código-fonte] O movimento começou a surgir em 1990 na primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, e desde então, promovida anualmente na cidade. Entretanto, somente em 1997 é que entidades das cidades de Yuba e Lodi, também nos Estados Unidos, começaram a promover atividades voltadas ao diagnóstico e prevenção da doença, escolhendo o mês de outubro como epicentro das ações.[1] Hoje o Outubro rosa é realizado em vários lugares do mundo. Novembro Azul é uma campanha de conscientização realizada por diversas entidades no mês de novembro dirigida à sociedade e, em especial, aos homens, para conscientização a respeito de doenças masculinas, com ênfase na prevenção e n…

Locais e passeios gratuitos em SP

Espaços de cultura e lazer em São Paulo com entrada grátis - Mas sempre é bom dar uma ligada antes de ir.
Muitos espaços de cultura e lazer na cidade de São Paulo têm entrada gratuita pelo menos uma vez por semana, como alguns tradicionais e conhecidos museus, além de outras belezas escondidas e pouco conhecidas por moradores e turistas. Confira as dicas da SPTuris:

Museu da Arte Moderna (MAM), com cerca de 2.000 obras, entre elas obras de Tarsila do Amaral e Tomie Ohtake, sendo quase todas produzidas no Brasil a partir da década de 20, abre as portas gratuitamente todos os domingos, das 10 às 18 horas. Parque do Ibirapuera, portão 3 - s/n°. Telefone 5085.1300, www.mam.org.br.

Museu de Arte Contemporânea (MAC), com acervo de aproximadamente 8.000 peças, entre óleos, desenhos, gravuras, esculturas e pinturas de conceituados artistas, como Picasso, Di Cavalcanti e Miró, entre outros. O MAC fica aberto ao público todos os dias, das 10 às 19 horas, sempre com entrada franca. Parque do Ibirap…
estamos retomando nosso projeto na esperança de ainda poder ajudar muitas pessoas Veja nosso instagram https://www.instagram.com/projetovivervida/